Buscar
  • Agencia X10

Expositor de carne natural: Perigo! Veja com a Equipe A:



O expositor de carne natural é frequentemente utilizados na área alimentícia, principalmente quando o alimento é vendido à granel e diretamente ao consumidor final.


Desde que os produtos não sejam perecíveis ou que o próprio fabricante determine que possam ser expostos à temperatura ambiente, não há problema utilizar este método de exposição. No entanto, quando o produto em questão é uma carne é necessário um pouco mais de cuidado.



Cuidados com a carne


As carnes não podem ficar mais do que 2 horas expostas a temperaturas acima de 7º.


O Brasil é um país tropical e seu clima é predominantemente quente. Assim, deixar uma carne sem a refrigeração adequada fará com que ela se deteriore mais rapidamente.


A carne é um produto com validade variável e que a qualidade depende da maneira como é conservada. Se estiver congelada, por exemplo, a validade é muito maior que a carne refrigerada.


Sendo assim, manter a carne em temperatura ambiente e num expositor natural é sinônimo de perigo!


Mesmo que o produto seja vendido no intervalo de 2 horas, o risco assumido pelo estabelecimento é altíssimo e pode trazer muitos – e sérios – prejuízos!


Entenda um pouco mais sobre os potenciais riscos das carnes naturais mal refrigeradas e veja mais sobre equipamentos necessários para um açougue no nosso blog.



Perigos do expositor de carne natural


Em primeiro lugar, é importante ressaltar que o expositor natural não é indicado para carnes, uma vez que não proporciona as condições necessárias para a conservação do alimento, fazendo com ele estrague mais rapidamente.


Dito isso, vale destacar que tal ação ainda oferece vários riscos:



Risco à saúde do consumidor


Esse é o risco mais eminente do expositor natural.


Quando a carne fica muito tempo sem a devida refrigeração apresenta sinais de que está estragada, pois tem alteradas a sua textura e cor.


Em alguns casos, a carne começa até a cheirar mal e, neste ponto, não deve sob hipótese alguma ser vendida, pois já está com aproximadamente 1000 vezes mais bactérias que o necessário para fazer alguém passar mal.


Comer carne estragada pode causar intoxicação alimentar e bacteriana e, inclusive, levar a pessoa à morte.



Perda financeira


Quando falamos em perdas financeiras pelo mau armazenamento de carnes pensamos logo no prejuízo da carne estragada que não poderá ser vendida.


Tal situação é verdadeira, mas há ainda outra perda financeira que pode ser muito maior: os processos e indenizações por intoxicação alimentar.



Risco à imagem do estabelecimento


Sem dúvidas, vender uma carne estragada trará inúmeros prejuízos para a imagem do estabelecimento.


Situações como esta comumente se tornam notícia e isso pode impactar significativamente nas vendas, resultando em alguns casos no fechamento do local pela vigilância sanitária.


Ninguém se sente seguro em comprar num estabelecimento que já causou problemas à saúde, ainda que pequenos. Ou seja, a confiança é abalada e ela é extremamente importante na área alimentícia.


A importância da refrigeração adequada


Como vimos, carnes podem se estragar com muita facilidade. Por isso, é indispensável que o estabelecimento aposente de uma vez por todas o expositor natural e procure imediatamente um expositor refrigerado.


Fonte: Blog da Norte

1 visualização0 comentário